"Voz ímpar que não se vai", diz Presidente da Republica

13 Jul 2013

O Presidente da Republica afirmo, hoje na sua página do Facebook, que o cantor cabo-verdiana Bana, falecido na noite de sexta-feira em Lisboa, é uma "voz impar que não se vai", considerando que ficará, "sempre" na memória de todos.

"Voz ímpar que não se vai", diz Presidente da Republica

"Recebo a notícia da morte do nosso Bana. Esse, sim, cujo nome lembra de imediato o de Cabo Verde, a sua voz. Voz ímpar que não se vai. Voz que faz ecoar «Eternidade», «Nossa Senhora de Fátima», «Lua nha testemunha», «Na caminhe de Maderalzim», «Traiçoeira de Dakar», «Lora»... Bana continua, pois, entre nós, sempre. Sempre grande, um dos grandes", escreveu Jorge Carlos Fonseca.

"Há um ano, a meu lado, via-lhe e sentia-lhe as lágrimas fartas de um homem e de uma alma plenos de autenticidade. Ainda cantou uma morna. E continuou com as lágrimas. Foi-se o nosso Bana?! Não, fica eternamente connosco. A nossa solidariedade e a nossa partilha de dor com os familiares e os amigos", concluiu o chefe de Estado cabo-verdiano.

Fonte da Presidência cabo-verdiana indicou que Jorge Carlos Fonseca fará uma declaração aos jornalistas às 10:00 locais (12:00 em Lisboa).

Bana, de nome completo Adriano Gonçalves, 81 anos, faleceu sexta-feira à noite no Hospital de Loures, em Lisboa, vítima de doença prolongada.