Várias gerações de músicos e cantores cabo-verdianos homenageiam Bana

31 Dez 2011

Várias gerações de músicos e cantores cabo-verdianos sobem hoje à sala principal do Teatro São Luiz, em Lisboa, num espectáculo de homenagem ao cantor cabo-verdiano Bana.

Várias gerações de músicos e cantores cabo-verdianos homenageiam Bana

Celina Pereira, Dany Silva, Mayra Andrade, Leonel Almeida, Bino Barros e Banda, Rita Lobo e Armando Tito são alguns dos 13 artistas convidados que participam no espectáculo, que tem a particularidade de assinalar a estreia da filha de Bana – Luz Maria – nos palcos.

Morgadinho, que vem expressamente de Cabo Verde para participar no espectáculo e que esteve com Bana na formação do grupo Vozes de Cabo Verde, e Luís Fortes, que vive na Holanda, são outros dos convidados que participam no espectáculo, em que participarão 13 músicos.<

Em declarações à agência Lusa, Bana disse estar muito feliz com a iniciativa, que visa assinalar o “grave problema de saúde” que ultrapassou há cerca de um ano.Para o cantor – que também irá actuar –, será “um momento muito especial” que lhe permitirá rever amigos e assistir à estreia da filha em palco.

“Muita, muita morna” foi a promessa deixada por Bana para o espectáculo de sexta-feira, acrescentando, porém, que no palco do São Luiz não deixarão de se ouvir outros ritmos cabo-verdianos como coladera, funaná ou kola san jon. Questionado pela Lusa sobre se tenciona voltar aos palcos a solo, Bana disse que não. Apesar de estar “muito feliz” com esta oportunidade, disse que voltar ao palco a solo “será difícil”.

“Este espectáculo é um bom momento para desfrutar da linda voz do Bana, que foi o maior embaixador da música e cultura cabo-verdianas em Portugal e que sempre tencionou voltar ao palco quando ultrapassasse o problema de saúde”, disse Celina Pereira à Lusa.Acrescentou que Bana foi um importantíssimo divulgador da música, cultura e gastronomia cabo-verdianas em Portugal.

Para isso muito contribuíram as noites “inesquecíveis” do restaurante Monte Cara, que o Bana tinha ao Rato, e onde se comia uma “verdadeira cachupa, já que a linguiça e o milho eram importados de Cabo Verde”, sublinhou Celina Pereira.Para a cantora cabo-verdiana, este espectáculo reveste-se de especial importância, já que foi pela mão de Bana que começou a actuar em público nos saraus do cinema Éden do Mindelo. E foi também na etiqueta de Bana que nos anos 1970 gravou o seu primeiro EP.

Celina Pereira sublinhou ainda a importância que Bana assumiu na divulgação da música tradicional cabo-verdiana em Portugal, nomeadamente de nomes como Cesária Évora, Tito Paris e Paulino Vieira.“Hoje têm carreiras independentes, mas foi Bana quem os deu a conhecer em Portugal”, enfatizou.

“Um encontro de gerações e de amigos com a inesquecível música de Cabo Verde como fundo” foi como Miguel Anacoreta Correia, organizador do espectáculo, definiu a iniciativa, cujas entradas estão já esgotadas. Sobre se pondera a realização de um segundo espectáculo em Lisboa, Miguel Anacoreta Correia disse que não está previsto, mas não inviabilizou a possibilidade de repetir esta homenagem em outras cidades.

Inforpress