Bana recordado no B.leza

14 Mar 2014

O espaço B.leza, em Lisboa, encheu-se de gala e glamour para homenagear o rei das mornas e coladeiras, Bana, que completaria mais um ano de vida no dia 11 de Março.

Bana recordado no B.leza

No mês em que completaria 82 anos, a sala do B.leza estava repleta de amigos, convidados e conhecidos, para homenagearem ao Bana. Não faltou alegria e boa disposição à noite, não fosse este, uma noite de festa em memória ao aniversário do músico bana, e como todas as festas de aniversário não podia faltar a boa-disposição dos presentes.

Pelo palco passaram nomes como Calu Moreira, Miroca Paris, Nancy Vieira, Tito Paris, Ana Firmino, Maria Alice, Dany Silva, os angolanos Bonga e Don kikas e o moçambicano Costa Neto.

De entre sorrisos e abraços, à noite foi-se escrevendo com as músicas do repertório do Bana numa perfeita harmonia entre os artistas e o público, que vivia cada momento com uma ponta de ternura ao ouvir e dançar ao som das melodias rei das mornas. Com toda a certeza Bana ficaria satisfeito com a homenagem, pois, e apesar das saudades da sua partida, as lembranças continuam vivas na memória das pessoas.

“Panha nha sono bo bençoa e volta el realidade”, refrão da música “Sonh Cordade, que nos chegou da voz suave e melódica de Nancy Vieira, que trouxe uma certa melancolia a festa, pode muito bem simbolizar o sonho que Bana realizou a vários jovens músicos cabo-verdianos. Uma geração inteira que se viu inspirada por Bana e que pelas suas mãos chegaram a Lisboa e hoje são referências da música cabo-verdiana na capital portuguesa e além-fronteiras.

Bana foi, e continuará a ser, a grande figura da música cabo-verdiana, que não só pertence à ilha do Mindelo que o viu nascer e crescer, mas sim a toda lusofonia, conforme lembrou Bonga e Costa Neto.

“Eu fui o menino mimado de Cabo Verde apesar de ter nascido em Moçambique. Fui o menino mimado do Bana”, revela Costa Neto, para recordar a importância que Bana teve e tem na sua carreira musical.

Bonga trouxe a muxima angolana com “Pexe pa Scabes” e Mulemba Xangola” e Tito Paris trouxe a irreverência dos acordos da sua guitarra com “ Finca Pe” e Happy Cave” para uma sala que ansiava por uns pezinhos de dança.

A noite que ia longa, pois passava da 01h00 da manhã, o público estava entusiasmado e embalado ao ritmo das mornas e coladeiras, que não fazia questão de se ir embora. Assim seguimos noite adentro para as últimas música, desta vez na voz de Dany Silva. “Quem ba ca ta be mas” e Mexe Mexe” fecharam à noite de homenagem aos 82 anos do Bana.

Quem foi ao B.leza nesta noite assistiu a um verdadeiro espectáculo de celebração da vida, da saudade, do amor e carinho que cada uma tem pelo grande rei Bana.

Numa noite “serena” de início de Primavera em Lisboa, o B.leza cobriu-se de gala para homenagear um dos melhores filhos de Cabo Verde, o “Rei das mornas e coladeiras”.

Veja as fotos do concerto

Odair Soares e José Aveiro